Instituto Polidata :: Suporte à aquisição do conhecimento

Desde 1968 em suporte à aquisição do conhecimento, preparando para a vida e para a admissão em unidades de ensino.

Perguntas Usuais -Frequently Asked Questions

Clique nas perguntas e veja imediatamente abaixo da pergunta a resposta correspondente:

Qual a missão da Polidata?


        O Instituto Polidata no Brasil foi criado em 1968 originalmente com a finalidade do acompanhamento de alunos em seu aprendizado possibilitando um melhor aproveitamentos nos cursos frequentados, sejam cursos anteriores ao Fundamental, e em todos os cursos subsequentes, o Fundamental, o Ensino Médio, o Curso Superior e amparando ainda mestrandos, doutorandos e demais degraus da carreira acadêmica a que se propõe o estudioso.

        Posteriormente foram criados cursos de idiomas, preparátório para concurso público e admissão a cursos superiores no país e mais tarde, preparação para cursos superiores no exterior e, em especial, a preparação para os Exames TOEFL, TORFL e similares, necessários ao ingresso em cursos superiores no exterior.

        Para a consecução de sua meta, a Polidata, através do empenho de seu excepcional grupo de colaboradores, investe seu conjunto de conhecimentos e recursos para melhorar o acesso ao aprendizado e impelir ao sucesso e prosperidade a cada geração emergente. O Instituto visa ainda, através de seus serviços e recursos de divulgação do conhecimento, a melhoria da qualidade de vida do indivíduo e da comunidade.

        É ainda missão da Polidata proporcionar o acompanhamento e a evolução do conhecimento aos estudantes de todos os níveis e mesmos aos já aplicando na prática seus conhecimentos, para que venham representar a próxima geração de lideres em suas respectivas áreas, promovendo a melhoria da sociedade e ajudando na solução dos grandes problemas da humanidade, tornando-se mesmo os arquitetos de um novo mundo igualitário e sustentável.


O que é o Programa Mais Médicos?


        O Programa Mais Médicos, criado em 22 de outubro de 2013, abrange ações conjuntas entre os Ministérios da Saúde e da Educação e faz parte de um amplo pacto de melhoria do atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). A iniciativa prevê a melhoria em infraestrutura e equipamentos para a saúde, a expansão do número de vagas de graduação em medicina e de especialização/residência médica, o aprimoramento da formação médica no Brasil e a chamada imediata de médicos para regiões prioritárias do SUS.


Qual é o balanço destes mais de dois anos do Programa Mais Médicos?


        O O Programa Mais Médicos completou seus primeiros dois anos com 18.240 médicos atuando em 4.058 municípios, 72,8% das cidades brasileiras e 34 Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEI). Com isso, atualmente, mais 63 milhões de brasileiros estão sendo beneficiados nas localidades que mais precisam de atendimento médico.


Como funciona o eixo emergencial do Programa Mais Médicos?


        Para levar médicos imediatamente às localidades com escassez de profissionais, o Programa Mais Médicos passou a garantir o atendimento da necessidade dos municípios na Atenção Básica com profissionais selecionados pelo Ministério da Saúde. Sendo assim, quando o Programa foi lançado, em 2013, os municípios interessados puderam aderir e manifestar sua demanda, tendo sido solicitados cerca de 13 mil médicos. Essa necessidade foi posteriormente expandida para 14 mil, e, por fim, 18.240, demanda que foi totalmente atendida pelo Programa. Desde 2013, foram lançados editais de seleção de profissionais para o preenchimento dessas vagas, seleção tanto para médicos formados e registrados no país, como para médicos formados no exterior não aqui registrados, mesmo sem a revalidação do diploma.


Médicos formados no exterior, sem CRM podem participar do Projeto Mais Médicos?


        Sim, o programa apresenta um ordem de prioridade, definida em sua Lei, na qual as vagas solicitadas pelos municípios e autorizadas pelo Ministério da Saúde devem ser, primeiramente, oferecidas aos médicos com registro no país, ou seja, na maioria médicos brasileiros formados no Brasil, mas também estrangeiros formados no Brasil e brasileiros ou estrangeiros formados fora do Brasil que revalidaram seus diplomas. Se restarem vagas depois da escolha desse primeiro grupo, elas serão oferecidas a um segundo grupo, composto por médicos brasileiros formados no exterior. Havendo ainda vagas, são oferecidas a um terceiro grupo constituído de médicos estrangeiros formados no exterior.

        Uma questão importante é que, para o segundo e o terceiro grupos, só podem ser médicos que tenham se graduado ou exerçam a medicina em países com a proporção de médicos por habitante superior a 1,8 por mil (equivalente à do Brasil em 2013, ano de criação do Mais Médicos). Caso ainda persistam vagas mesmo depois de oferecidas a estes três grupos, a Lei autoriza o governo brasileiro a utilizar acordo internacional que foi celebrado com a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) e que traz os médicos cubanos, funcionários do Ministério da Saúde Pública de Cuba, para atuar nas vagas remanescentes.


Quais são as condições de atuação dos médicos no Programa Mais Médicos?


        Os médicos são contratados inicialmelnte, por três anos, recebendo bolsa-formação federal no valor de R$ 10 mil, que já teve seu valor atualizado, a moradia e alimentação são custeadas pelas prefeituras onde exercem seu trabalho. Os profissionais realizam curso de especialização em Saúde da Família e são supervisionados e orientados por instituições de ensino. Além disso, os médicos, quando em operação, contam com apoio do Telessaúde, tanto por meio de acesso na internet pelo computador, tablet ou smartphone ou por meio de uma ligação telefônica ao número 0800-644-6543, fone reservado para atendimento de médicos, cujo número estará sendo alterado no futuro.


Há direitos trabalhistas no Programa Mais Médicos?


        O programa visa a formação profissional através do serviço prestado, não há vínculo empregatício. Entretanto, os médicos do Programa têm direito a um recesso anual remunerado de 30 dias, e, têm contribuição previdenciária custeada pelo Ministério da Saúde, bem como moradia, alimentação e ajuda de custo. Todos os profissionais recebem bolsa-formação mensal líquida de R$ 10 mil, que já foi corrigida, são supervisionados e cumprem 40 horas semanais no programa, sendo 32 horas de atuação nas unidades básicas de saúde e 8 horas dedicados a ações de educação na UBS ou em outros locais.


Como é o dia a dia do médico do Projeto Mais Médicos em seu trabalho na comunidade?


        Os profissionais do Mais Médicos, assim como os demais médicos que atendem em Unidades Básicas de Saúde, estão trabalhando em um nível de atendimento à saúde da população chamado Atenção Básica, onde praticamente 80% dos problemas de saúde da população podem ser resolvidos. Isso inclui desde problemas de saúde passageiros, como uma gripe ou uma dor de garganta, até o acompanhamento de um pré-natal ou doenças crônicas, como diabetes e hipertensão. Vale lembrar, ainda, que a Atenção Básica não serve apenas para tratar os doentes, mas também para prevenir os problemas e promover hábitos saudáveis. O usuário dos serviços pode consultar regularmente o médico e demais profissionais das unidades básicas de saúde e do programa Saúde da Família para acompanhar sua saúde e receber orientações para uma qualidade de vida melhor.


Qual a ordem preferência na chamada para médicos no Programa Mais Médicos?


        A preferência para a chamada de profissionais do Mais Médicos é para aqueles que têm registro de atuação médica no Brasil, o CRM. Quando são abertos chamamentos de médicos para o programa, a seleção respeitará a seguinte ordem de preferência:

        1. Médicos com registro no Brasil, com CRM, aqui formados, ou se formados exterior, tiveram revalidados seu diploma no Brasil;

        2. Médicos brasileiros formados no exterior sem CRM no Brasil;

        3. Médicos estrangeiros formados no exterior sem CRM no Brasil.

        Depois de feitas todas essas chamadas, caso ainda sobrem vagas, os médicos cubanos da cooperação internacional são convocados, dentro de um acordo internacional feito entre Brasil e a OPAS, Organização Pan-Americana da Saúde.

        Após a instauração do Programa Mais Médicos, na primeira chamada de médicos, foi assim a contratação dos 14.462 admitidos:

        1. 1.846 médicos com CRM;

        2. 1.187 médicos sem CRM, brasileiros e estrangeiros formados no exterior, e, não tendo sido completada a quota entre estes primeiros preferenciais, lançou-se mão do convênio com a OPAS, sendo contratados

        3. 11.439 médicos cubanos sem CRM.


Porque no Brasil há tão grande carência de médicos?


        Comparado com outros países, mesmo como o Brasil, do terceiro mundo, o Brasil perde de longe em número de médicos por mil habitantes, isso devido à política educacional absurdamente adotada pelo país de limitar, por meios puramente artificiais, a criação de escolas de medicina. Com essa limitação de escolas, uma verdadeira reserva de mercado, as escolas privadas existentes, cobram anuidades elevadíssimas, acessíveis a menos de 1% da população do país. Assim 99% da população do Brasil, mesmo desejando cursar medicina, não tem como. Pelo menos em nosso país. Excelentes escolas de medicina em todo o mundo, bem melhores que a maioria das escolas brasileiras, cobram menos de um décimo, da anuidade que aqui se cobra!

        Em uma eventual crise no país com 10 ou 12 milhões de desempregados, não haverá entre esses desempregados, sequer um médico! Há regiões do Brasil, que mesmo nas grandes crises de desemprego que por aqui ocorrem, chegam a oferecer cerca de 10 mil dólares por mês para atrair profissionais, e ficam a ver navios. Toda uma comunidade sem sequer um médico para eventualmente, receitar um antibiótico, só fornecidos por farmácias com receita médica. Um desespero para estas populações que veem seus filhos sucumbirem pela inexistência de um único médico na região.

        A Espanha tem 4 médicos por mil habitantes, Portugal, 3,9 médicos, nosso vizinho, o Uruguai, 3,7 médicos, a Argentina, 3,2 médicos, e nosso Brasil, com apenas 1,8 médicos por mil habitantes. O que significa que milhões de brasileiros sucumbirão simplesmente porque por aqui não há médicos! Hospitais prontos para funcionar não são inaugurados simplesmente por falta de médicos, os elevados salários necessários para a contratação de médicos, tornam a folha de pagamento de um hospital incompatível com o potencial médio de compra de serviços dos que por aqui vivem. E o médico particular? Quem pode pagar uma sequência de consultas com um especialista cuja consulta costuma atingir valores impossíveis de serem pagos por aquele que teve a sua saúde finalmente atingida, primeiro pela enfermidade, em seguida pelo custo da saúde no país?


Quais os primeiros passos daquele formado no exterior quando aqui chega, sem CRM, para exercer sua atividade através do Projeto Mais Médicos?


        Ao chegar ao Brasil o profissional passa por um período de acolhimento e preparação, ao fim do qual será avaliado se aproveitou as aulas ministradas. São quatro semanas de aulas sobre o SUS, temas de saúde e português, se não falantes do idioma, bem como uma prova ao final para verificar se assimilou a matéria dada. Se comparecer a todas as aulas e cuidar de estudar as lições, com certeza será aprovado.


Há limitação profissional na atividade do médico sem CRM contratado pelo Mais Médicos?


        Os médicos sem CRM contratado pelo Mais Médicos realizam consultas, fazem diagnósticos, prescrevem tratamentos e medicamentos, solicitam exames e emitem atestados, apenas limitados a exercer sua atividade no SUS. Recebem autorização do Ministério da Saúde para o exercício da profissão, mas, exclusivamente no âmbito das ações previstas no programa e na localidade indicada pelo Ministério da Saúde. Isso quer dizer que ele não pode atuar em outros serviços de saúde que não façam parte do Mais Médicos. No mais, não há diferença. E têm ainda à sua disposição o suporte de orientadores do TeleSaúde, via fone, se urgência ou via Net para orientações mais detalhadas, um verdadeiro corpo de professores de medicina à sua disposição! Melhor impossível, tudo para crescer em sua profissão.


Como faço para obter mais informações?


        Você pode enviar um email para professor@loja.net, ou, acessar-nos via fones 55 (11) 3437-9755 ou, se preferir, 1 (646) 506-4907, será bem-vindo 24/7/365!

Home   Detalhes? Ligue agora, 24/7/365, 11, fixo 3437-9755, Cel Tim 9-8484-1839, Cel Vivo 9-9766-5121

Polidata, Inc, All Rights Reserved    

Original text